Portugal

Dispara número de queixas por burla no MB Way. Saiba o que fazer para se proteger

Em Portugal são feitas 2,5 milhões de transações por mês em MB Way

D.R.

Só em janeiro de 2020 foram registadas quase tantas queixas quanto em todo o ano de 2019. OLX e Custo Justo são os sites onde as ciladas ocorrem com mais frequência

O número de consumidores a queixar-se de ter sido burlado através do MB Way disparou no início deste ano. Se comparado o primeiro mês de 2020 com todo o ano anterior, as reclamações estão quase ao mesmo nível: 86 queixas só em janeiro contra 102 nos 12 meses de 2019. É um aumento de 169%.

As autoridades já tinham alertado para o aumento das burlas e o número de queixas parece confirmá-lo. O MB Way é um sistema de pagamento que permite fazer transferências instantâneas entre números de telemóvel associados à app, gerar cartões virtuais e usar o Multibanco sem ter de usar cartão bancário. Nos últimos anos popularizou-se como uma forma simples e prática de pagar produtos ou serviços e é esse aumento que está também plasmado nos números do Portal da Queixa, que em 2018 tinha recebido 'apenas' 41 reclamações — de lá para cá, o crescimento tem sido exponencial.

Pedro Lourenço é CEO do Portal da Queixa e lembra que o tema não é recente, mas que a plataforma se sente na obrigação de “alertar os consumidores”. “Estamos inclusivamente a preparar um projeto na área de literacia digital, com vista a potenciar o conhecimento destas práticas fraudulentas”, acrescenta Lourenço.

Em comunicado, a rede social conta que é nos sites de compra e venda OLX e Custo Justo que as burlas acontecem com maior frequência. Lá, os burlões convencem quem quer vender um produto a fazê-lo através do MB Way — quando os vendedores o desconhecem, são convidados a dirigir-se a uma caixa Multibanco, colocar o cartão de débito e inserir o número de telefone e o código de acesso, que depois acabam por dar ao burlão, na convicção de que estão a fornecer códigos para o pagamento. Acontece que o que estão a fazer é dar “pleno acesso à sua conta bancária”.

Caso isso aconteça, a recomendação é que as vítimas apresentem sempre queixa nas autoridades policiais da área de residência. Além dessa, a SIBS, entidade gestora da Rede Multibanco, deixa uma série de outras recomendações que deve seguir para evitar ser apanhado na teia do MB Way:

  • Nunca deve adicionar, ou permitir que adicionem à sua conta ou cartão bancário, um número de telemóvel que não possui ou desconhece, quer seja através do MULTIBANCO, quer seja através do homebanking.

  • Nunca deve seguir orientações de terceiros ou desconhecidos para fazer uma transação financeira, seja qual for, nomeadamente uma adesão ao serviço MB WAY. Da mesma forma, nunca deve fornecer dados ou códigos da sua conta a um desconhecido.

  • Os bancos não solicitam, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.

  • Da mesma forma, nenhuma entidade legítima, como operadoras de comunicação ou de outros serviços, lhe poderá solicitar, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.

  • Nunca forneça dados confidenciais ou pessoais como resposta a mensagens de correio eletrónico ou via sms, mesmo que a origem da solicitação aparente ser legítima.

  • Não siga ligações que recebeu em mensagens de correio eletrónico ou via sms.

  • Verifique os extratos das suas contas bancárias regularmente.

  • A SIBS recomenda que contacte o seu banco para adicionar o(s) seu(s) número(s) de telemóvel para que possam ter a sua ficha de cliente totalmente preenchida.