Portugal

Exposição no MNAA evoca D. Manuel I como grande promotor das artes

A mostra temporária, que se realiza no ano em que se assinalam os 500 anos da morte do rei D. Manuel I de Portugal, tem comissariado a cargo do diretor do MNAA, Joaquim Oliveira Caetano, e dos investigadores Rosa Bela Azevedo, do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, e Rui Loureiro, da Biblioteca Nacional de Portugal.

"Vi o Reino Renovar - Arte no Tempo de D. Manuel I", que ficará patente até 26 de setembro na Galeria de Exposições Temporárias do museu, resulta da colaboração estabelecida com aquelas duas entidades, e procura espelhar "uma intensidade de produção artística e arquitetónica que se traduziu num dos mais brilhantes períodos da arte portuguesa", de acordo com o dossiê de apresentação da mostra, do MNAA.

As obras, provenientes de diferentes instituições e coleções nacionais, serão dispostas em quatro núcleos: "Vi o Reino Renovar. Arte no tempo de D. Manuel I nos 500 anos da sua morte", sobre o gosto do rei; "O poder das artes, entre o deleite, a novidade e a propaganda", sobre a arte e cultura na corte manuelina; "A reforma dos forais e a Leitura Nova: a escrita e a iluminura como instrumentos de poder", sobre a iluminura e a escrita na reforma administrativa do reino; e "A imprensa: o prestígio de uma arte nova e eficaz", sobre a importância da imprensa no reinado de D. Manuel I.

O gosto pessoal do rei, "a necessidade de estabelecimento de uma identidade visual e simbólica do primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis [Manuel I sucedeu ao primo João II], a disponibilidade económica e a autoconsciência do acréscimo da importância política que a expansão territorial dava ao país estiveram na origem do enorme interesse por formas de representação artística", recordam os curadores sobre a ação do monarca.

D. Manuel "teve a clara consciência" do impacto das várias formas de arte na sociedade, "utilizando-as numa prática cerimonial, administrativa e política bem articulada, quer nos resultados, quer na criação de estruturas de base que regiam e executavam as inúmeras empreitadas que admiravam os seus contemporâneos e ainda hoje nos podem surpreender", destacam os comissários, num texto sobre a exposição.

"É sobre essa enorme dimensão expressiva da sua atuação como rei que esta exposição reflete, através de áreas tão diversas e 'novas' como a pintura, a produção de documentos ou o desenvolvimento da imprensa", adiantam ainda.

A exposição irá apresentar uma seleção de peças de escultura, pintura e de diversos documentos - como livros, códices e iluminuras -, para a evocação dos tempos do reinado. É o caso do "Livro das Horas", de D. Manuel, da "Bíblia dos Jerónimos", do "Livro chamado espelho de Cristina", de Christine de Pisan, e do "Livro das Ordenações", impresso por Ioham Pedro Bonhomini, que se juntam a tapeçarias de Manufatura de Tournai, a obras de escultores como Diogo Pires-o-Moço, Olivier de Gand e Fernão Muñoz e de pintores como Gregório Lopes e Jorge Leal.

Os responsáveis pelo comissariado ressalvam que a exposição "não ambiciona ser um balanço das práticas artísticas no tempo de D. Manuel I e, muito menos, uma abordagem biográfica ou política" sobre o rei, mas sim "analisar a relação do monarca com a prática artística, uma das mais importantes de toda a história portuguesa".

"Essa importância e brilho manifestaram-se, não apenas na intensidade com que [D. Manuel I] promoveu, patrocinou e encomendou obras de arquitetura, iluminura, pintura, escultura ou artes decorativas", mas também "pela forma como utilizou a produção artística na sua estratégia de representação e afirmação real".

A D. Manuel I, se ficaram a dever a introdução, na administração régia, de estruturas vocacionadas para a gestão dos seus projetos artísticos e arquitetónicos, criando vedorias e incorporando artistas nesse sistema, com cargos próprios que incluíam funções de administração, gestão e de diplomacia.

"Vi o Reino Renovar - Arte no Tempo de D. Manuel I" conta com o mecenato do BPI e da Fundação La Caixa.

Criado em 1884, o MNAA alberga a mais relevante coleção pública do país em pintura, escultura, artes decorativas -- portuguesas, europeias e da Expansão --, desde a Idade Média até ao século XIX, incluindo o maior número de obras classificadas como "tesouros nacionais", assim como a maior coleção de mobiliário português.

No acervo encontram-se, nos diversos domínios, algumas obras de referência do património artístico mundial, nomeadamente, os Painéis de São Vicente, de Nuno Gonçalves, obra-prima da pintura europeia do século XV.

Também detém a Custódia de Belém, obra de ourivesaria de Gil Vicente, mandada lavrar por D. Manuel I e datada de 1506, e os Biombos Namban, do final do século XVI, registando a presença dos portugueses no Japão.

O tríptico "As Tentações de Santo Antão", de Hieronymus Bosch, "Santo Agostinho", de Piero della Francesca, "A Conversação", de Pietr de Hooch, e "São Jerónimo", de Albrecht Dürer, estão entre as mais conhecidas obras do museu.

Leia Também: Costa contra autoflagelação. Portugal tem bom "historial" a usar fundos

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Football news:

Umtiti agrees to leave Barca, but only to a club from the Champions League or claiming the title
Sassuolo is ready to give Locatelli to Juve on loan for 5 million euros with an obligation to buy out at least 30 million
Sofia Pozdnyakova: It's more fun with the audience, the excitement wakes up. But we do not have such a popular sport as football or figure skating. We are used to it
Gilmore is the future of Chelsea. There is an elite pass, speed, and experience will gain in Norwich
Bologna signed Arnautovich. The forward of the Austrian national team was Interesting to Dynamo
Inter may sign Pjanic to replace Brozovic. Marotta was in contact with the Barca midfielder
Shevchenko urged Yaremchuk to move to Benfica at the request of Rui Costa