Portugal

FC Porto passa teste de Guimarães e está a um ponto do topo

O FC Porto venceu este domingo, por 1-2, no duro teste de Guimarães, onde acabou mesmo por aproveitar a derrota do Benfica, na véspera, reduzindo a um ponto a diferença para a liderança, à passagem da 21.ª jornada, num jogo marcado pelo episódio de Marega, que abandonou o relvado na sequência de manifestações de racismo.

O FC Porto entrou com uma intensidade altíssima e não demorou muito a colocar-se em vantagem, na sequência de uma jogada pelo flanco esquerdo, com Zé Luís a cruzar atrasado para o remate de Sérgio Oliveira, à barra. A bola bateu em Douglas e entrou na baliza do Vitória (10').

A equipa vimaranense reagiu e Marchesín foi chamado a sacudir um remate de Pedro Rodrigues um minuto depois de Marcano ter evitado o golo de Marcus Edwards (18') praticamente em cima da linha.

O V. Guimarães estava de volta ao combate e criava problemas aos “dragões”, que viram Bruno Duarte acertar no poste, embora o lance estivesse ferido de ilegalidade, por fora-de-jogo.

O FC Porto acabaria a primeira parte sem qualquer remate enquadrado com a baliza, apesar de Zé Luís e Marega terem estado muito perto de marcar.

No regresso, o Vitória acabaria mesmo por chegar ao empate, num golo de Bruno Duarte (49') a explorar duas falhas portistas: Uribe permitiu que Ola John, numa reposição de bola de Douglas, ganhasse espaço para cruzar, com Marchesín a falhar a saída e a permitir o cabeceamento do avançado brasileiro.

O FC Porto acusava o toque e sofria às mãos de um adversário mais confiante e perigoso. Mas num lance típico de futebol directo, com Marega a ser solicitado na profundidade, o FC Porto voltava a marcar pelo maliano (60'), que provocou um verdadeiro tumulto ao recusar-se a prosseguir em campo na sequência de manifestações de racismo.

A partir daí, o jogo acabou por entrar numa espécie de túnel do tempo, com o FC Porto, depois de um falhanço de Corona, ansiosamente à espera do apito final, enquanto o Vitória, apesar de Ivo Vieira ter apostado tudo, se esgotava e rendia após uma última enorme oportunidade de Davidson por cima da barra.