“O pior momento como rojiblanco, com números preocupantes”, escreveu a Marca. “Algo se passa com o avançado que passou de forma inadvertida pela Supertaça e que, apesar de ninguém duvidar do seu talento, levanta uma certa preocupação”, disse o As. “Em busca da melhor versão depois de não ter estado à altura das expetativas”, referiu o ABC. “O apagão de quem vive os piores dias desde que desobedeceu a Simeone em Granada e saltou a ordem dos penáltis na Champions”, salientou o El País. Todos os textos falavam de João Félix, todos os textos tinham uma perspetiva crítica em relação ao momento que o português atravessa no Atl. Madrid.

Depois do golo de grande penalidade na receção ao Lokomotiv, onde foi o melhor jogador no encontro que teve o condão de carimbar a passagem aos oitavos da Champions, João Félix foi caindo de produção a pique apesar dos triunfos do Atl. Madrid até ao desaire nas grandes penalidades da Supertaça frente ao Real Madrid – e com isso os 126 milhões investidos pelos espanhóis para assegurarem o jovem internacional português foram ganhando um maior peso, havendo uma “tentação” de associar a falta de golos ao rendimento do número 7 numa altura em que Diego Costa continua a recuperar de lesão e o novo avançado para o plantel ainda não chegou.

“A Supertaça espanhola foi mais um passo na experiência para um miúdo de 20 anos, que tem um talento enorme e condições fantásticas. Acreditamos absolutamente nele, tem golo e um jogo que necessitamos”, defendeu Diego Simeone no lançamento do regresso à Liga, num encontro fora frente ao Eibar. “O João tem 20 anos. Precisa de ser forte, feliz, alegre, empolgado. Joga no Atl. Madrid e tem um futuro imenso. Estamos à espera que ele nos dê uma ajuda importante na segunda volta”, acrescentou o treinador argentino.

Tenho toda a responsabilidade. Somos nós [equipa técnica do Atl. Madrid] que temos que trabalhar para encontrar a melhor versão e o melhor lugar para explorar as suas características”, argumentou.

Logo aos três minutos, o português surgiu com perigo ao segundo poste numa bola parada mas falhou o desvio para a baliza. À passagem do primeiro quarto de hora, novamente o número 7 a conseguir ganhar espaço pelo corredor central e a rematar rasteiro de pé esquerdo para defesa apertada de Dmitrovic. Pelo meio, o Eibar fez o 1-0 na sequência de um canto com o último toque a pertencer a Esteban Burgos. E assim se resumem 45 minutos.

Mais uma vez, a exibição do Atl. Madrid voltou a falhar os mínimos exigíveis para uma equipa de Champions que quer rivalizar pelo título com o Real Madrid e o Barcelona. João Félix, que foi substituído por Camello aos 83′, voltou a ter um jogo apagado, todos os jogadores colchoneros tiveram um jogo apagado e também Diego Simeone não teve propriamente o jogo mais conseguidos em termos de opções (basta pensar que o criativo Saúl Ñíguez foi lateral esquerdo). O Eibar ainda chegou ao 2-0 em cima do minuto 90 por Edu Expósito em nova bola parada e o conjunto da capital voltou a ficar mais distante do primeiro lugar do Real Madrid (oito pontos).