Portugal

FIAF preocupada com Cinemateca Brasileira

Sem esquecer outras instituições do património audiovisual que sofreram cortes com o governo brasileiro, a FIAF sublinha que instituições como a Cinemateca do Brasil só conseguem cumprir a função de reunir, proteger e partilhar a herança cinematográfica, que "é incrivelmente rica", se lhes for permitido operar num ambiente estável e favorável.

"Os profissionais altamente qualificados que trabalham para essas instituições - arquivistas, técnicos, educadores, curadores e administradores - são os verdadeiros guardiões dessa herança única (...) mantêm viva a memória da nação brasileira e de suas diversas comunidades e, como tal, seu trabalho deve ser reconhecido e valorizado", lê-se numa nota da Federação, na sua página na Internet.

"Quaisquer medidas que diminuam o financiamento da Cinemateca ou que a sujeitem a instabilidade política ou administrativa não reconhecem a natureza de longo prazo de seu trabalho", prossegue a mensagem da FIAF, que acrescenta: "Prejudicar a Cinemateca constitui uma ameaça direta sobre o património cultural além de que priva as futuras gerações de brasileiros de se ligarem ao país, ao seu passado cultural e artístico".

Como membro da FIAF desde 1948, a Cinemateca Brasileira faz parte de uma comunidade global de 169 instituições sem fins lucrativos, líderes em 75 países em todo o mundo, todas fortemente dedicadas à preservação e celebração do património mundial do cinema.

"Estamos com firmeza com nossos colegas em São Paulo e instamos o público brasileiro e os funcionários e os decisores do país a garantir que essa instituição, altamente respeitada, possa continuar a operar de forma profissional e imparcial, no seu espírito de missão", conclui a FIAF.

Nos passados dias 9 e 10 de fevereiro, a cidade de S. Paulo, a mais populosa do Brasil, registou o maior volume de chuva para o mês de fevereiro dos últimos 37 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A tempestade que fustigou São Paulo paralisou praticamente os transportes, inundou as principais estradas e colapsou o tráfego de veículos.

As chuvas provocaram também deslizamentos de terras, inundações, quedas de árvores, suspensão do serviço de algumas das linhas de elétrico.