logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

‘Foi Deus’ é a canção portuguesa mais votada para o Cancioneiro da UE

A canção ‘Foi Deus’, de Alberto Janes, uma criação de Amália Rodrigues, em 1952, “é a canção portuguesa mais votada” para fazer parte do primeiro ‘Cancioneiro da União Europeia’ (UE), foi hoje anunciado.

O projecto de constituir um ‘Cancioneiro da União Europeia’ está a ser desenvolvido pela European Union Songbook Association, com sede em Copenhaga, uma iniciativa do dinamarquês Jeppe Marslingor, seu presidente.

O objectivo visa seleccionar seis canções portuguesas, uma por cada categoria: ‘Amor’, ‘Fé e Espiritualidade’, ‘Natureza’, ‘Paz e/ou Liberdade’, ‘Música Popular’ e ‘Música Infantil’.

A lista, com as dez canções por categoria, foi elaborada a partir de uma pré-seleção realizada “por membros da comunidade musical portuguesa”, “em particular a Associação Portuguesa de Educação Musical, a Associação Musical Lisboa Cantat, o Instituto de Etnomusicologia - Centro de Estudos em Música e Dança e a Academia de Música de Lagos”, segundo comunicado da organização.

As canções portuguesas pré-selecionadas estão à votação até ao final do mês no ‘site’ http://www.eu-songbook.org/, tendo já participado cerca de 800 internautas, disse à agência Lusa Jeppe Marsling.

“Foi Deus”, a canção portuguesa mais votada, lidera a categoria “Fé”, com 45% dos votos, na qual é seguida de “Natal em Elvas”, do cancioneiro popular alentejano, com 14%.

Na categoria “Amor”, lidera “Perdidamente”, de Florbela Espanca, com música de João Gil, pelo grupo Trovante, com cerca de 26%, seguida de “Amar pelos Dois”, de Luísa Sobral, com a qual Salvador Sobral deu, em 2018, a primeira vitória a Portugal no Festival da Eurovisão, com 20%.

Em “Natureza” lidera “Canção do Mar”, de Frederico de Brito e Ferrer Trindade, apresentada pela primeira vez por Maria Odete Coutinho, no programa radiofónico “Os Companheiros da Alegria”, e gravada em 1953 por Carlos Fernando acompanhado pelo Conjunto de Mário Simões, recriada várias vezes por outros artistas, como o brasileiro Agostinho dos Santos, em francês por Yvette Giraud, e, mais tarde, na década de 1990, por Dulce Pontes. No segundo posto, com 20% das intenções de voto, está “Verdes são os Campos” (Luís de Camões/José Afonso), por José Afonso, com 17%, canção que foi também gravada, entre outros, por Teresa Silva Carvalho.

O “Malhão, Malhão”, do cancioneiro popular do Douro Litoral, lidera a categoria “Canções Populares”, e “A Loja do Mestre André”, as “Canções Infantis”.

A votação em Portugal e no Chipre termina em outubro. Nas próximas duas semanas abrem as votações para as escolhas da Bélgica e do Luxemburgo.

Até à data já participaram 41.000 votantes, registando-se as maiores participações na Áustria, Países Baixos, Letónia, Finlândia e Dinamarca, com participações entre os 1.000 e os 4.500 votantes, disse Marsling.

Neste cancioneiro participam todos os 28 países da União Europeia, incluindo o Reino Unido, que negoceia a sua saída da comunidade, prevista para março próximo.

Em declarações à agência Lusa, Jeppe Marsling sublinhou que o “Cancioneiro da União Europeia” “não tem quaisquer laços políticos ou financeiros com o sistema da União Europeia”. “Queríamos ter certeza que as pessoas entendam que este não é um projeto para promover a imagem de Bruxelas, mas feito de paixão pela ideia de uma União Europeia de povos”.

“Há mais de 50 anos, que nós, os cidadãos europeus, trocamos coisas físicas: carvão, peixe e outros produtos. O intercâmbio cultural, por outro lado, até agora consistiu principalmente na área do desporto - Liga dos Campeões -, e um concurso de música única -- a Eurovisão. Sentimos que é tempo para criar um símbolo comum mais duradouro, um cancioneiro”, lê-se no ‘site’ da European Union Songbook Association.

“Mesmo que a música seja verdadeiramente uma linguagem universal, apenas ler a partitura das 168 músicas a serem impressas no ‘Cancioneiro’, não é culturalmente satisfatório, portanto, as letras serão impressas com uma tradução em inglês, bem como nas 24 línguas da União Europeia, o que permitirá que todos cantem juntos. Embora o inglês seja falado por cerca de 40% da população europeia, todos os cidadãos devem ter a opção de cantar as 168 músicas nas suas línguas maternas”, lê-se no ‘site’.

Themes
ICO