Portugal

Greve dos oficiais de justiça com adesão “aquém do expectável” , diz o Sindicato

A paralisação de cinco dias teve por objectivo lutar contra o incumprimento da lei por parte do Ministério da Justiça e contra o que dizem ser um “regime de trabalho forçado”, que viola a Constituição e as convenções internacionais.

Ricardo Lopes

 A greve dos oficiais de justiça, que decorreu entre segunda e sexta-feira, teve uma adesão “aquém do expectável”, adiantou este Sábado o sindicato, que vincou porém que a ministra da Justiça não tem condições para representar o “Estado livre”.

“A adesão, a esta greve, atípica, não correspondeu, em termos globais, ao sentimento da esmagadora maioria dos oficiais de justiça, ficando aquém do expectável. Há que o assumir, com sentido de responsabilidade, ainda que existam inúmeros factores para tal”, avançou, em comunicado, o Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ).

A paralisação de cinco dias teve por objectivo lutar contra o incumprimento da lei por parte do Ministério da Justiça e contra o que dizem ser um “regime de trabalho forçado”, que viola a Constituição e as convenções internacionais.

Apesar de ressalvar que foram registadas violações à lei da greve, o sindicato destacou que foi possível denunciar “o desprezo pela lei e o tratamento desigual” no Ministério liderado por Francisca Van Dunem e dar a conhecer que este despreza as leis.

“Os oficiais de justiça, assumindo os custos desta greve e com coragem, lutaram para denunciar que o Ministério da Justiça vem condicionando os tribunais, de forma despudorada, fomentando uma cultura de total desprezo pelas leis e de tratamento desigual, entre pessoas humanas, protegendo uns e abandonando outros à sua sorte”, acrescentou a estrutura sindical.

No documento, o SOJ reconheceu ainda como positivo o início do processo de vacinação destes profissionais, porém, garantiu ser “necessário mais”.

O sindicato considerou assim ser imprescindível que os oficiais de justiça encontrem “no processo negocial outros interlocutores”, afirmando que a ministra da Justiça e o secretário de Estado Adjunto e da Justiça, Mário Belo Morgado, não têm “condições para continuar a representar o Estado livre e o direito democrático”.

O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) convocou uma greve na semana passada contra o não pagamento de horas suplementares e em protesto contra o que designam de “trabalho forçado/escravo”.

O SOJ exige o cumprimento da lei do Orçamento do Estado de 2020, considerando que esta não está a ser cumprida pelo Ministério da Justiça.

O sindicato refere que a paralisação de cinco dias foi a forma de luta e protesto contra “o incumprimento da lei, por parte do Ministério da Justiça, num claro desprezo pelo Povo português, parlamento e Estado de direito democrático” e contra o “regime de trabalho forçado que viola a Constituição da República Portuguesa e as convenções internacionais ratificadas pelo Estado Português”.

Para esta estrutura sindical, o Ministério da Justiça persiste “em manter os Oficiais de Justiça portugueses sob um regime de trabalho forçado/escravo  por imposição legal têm o dever de continuar a trabalhar após a jornada de trabalho, sem direito ao pagamento dessas horas suplementares, nem qualquer compensação”.

Football news:

Griezmann spoke with Hamilton and visited the Mercedes boxes at the Spanish Grand Prix
Barcelona feels that Neymar used it. He said that he wanted to return, but extended his contract with PSG (RAC1)
Aubameyang to the Arsenal fans: We wanted to give you something good. I am sorry that we could not
Atletico did not lose at the Camp Nou. Busquets' injury is the turning point of the match (and the championship race?)
Verratti injured his knee ligaments in PSG training. Participation in the Euro is still in question
Neymar's contract in one picture. Mbappe wants the same one
Manchester United would like to sign Bellingham in the summer, not Sancho. Borussia do not intend to sell Jude