Portugal

Leopoldo López desvaloriza pedido de extradição apresentado a Espanha

O venezuelano Leopoldo López, coordenador do partido Vontade Popular, ao qual pertenceu o líder da oposição Juan Guaidó, desvalorizou hoje o pedido de extradição anunciado pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) venezuelano, considerando que este é "absolutamente político".

"O pedido é feito por um tribunal cujo presidente, Maickel Moreno, já foi sancionado pela Europa por ter sido responsável por distorcer o Estado de direito e por atos de corrupção. O procurador que fez o pedido, Tarek William Saab, está também sancionado pelos Estados Unidos e pelos países da América Latina", referiu Leopoldo López, após um encontro com o líder do Partido Social Democrata português (PSD), Rui Rio.

"Este pedido de extradição é total e absolutamente político", vincou López, que considerou que a ação foi decidida pelo "supremo tribunal de injustiça" da Venezuela.

Na terça-feira, o STJ anunciou que iria pedir a Espanha a "extradição ativa" de Leopoldo López para "o fiel cumprimento do restante de sua condenação em território venezuelano, que oito anos, seis meses, 25 dias e 12 horas, por ter sido condenado pela prática dos crimes de determinador no crime de incêndio, no crime de dano, e autor do crime de instigação pública e associação".

López disse estar "convencido" de que a decisão não deveria "sequer ser admitida por qualquer instância em Espanha ou na Europa", uma vez que estes "não reconhecem como legítimo" o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o parlamento ou qualquer "instituição ilegítima da Venezuela".

"Seria uma contradição" aceitar "um pedido de extradição de uma instituição que consideram ilegítima e cujos membros são sancionados pela União Europeia", sublinhou.

Em 17 de fevereiro último, Maduro acusou Espanha de falta de coragem para deter o membro da oposição Leopoldo López, atualmente residente em Madrid, apesar de alegadas provas de delitos cometidos durante 20 anos na Venezuela.

López abordou também a proposta feita por Guaidó, também na terça-feira, que propôs um "acordo de salvação nacional" entre as "forças democráticas" e o Governo de Nicolás Maduro que inclua um calendário para eleições livres e o levantamento progressivo de sanções internacionais.

"Estamos a apresentar aos países da região, aos Estados Unidos e também aos países da Europa, para que acompanhem esta proposta de uma solução acordada e íntegra que possa dar uma resposta aos problemas que nós, venezuelanos, temos", assinalou Leopoldo López.

Após o encontro com o líder social-democrata, Leopoldo López reforçou também o facto de "milhões de venezuelanos" terem abandonado o país.

"Hoje somos milhões de pessoas na América Latina e em todo o mundo e esperamos regressar ao nosso país. E para regressar à Venezuela precisamos do apoio do mundo", disse, acrescentando que acredita que "a Europa estará do lado da liberdade e da democracia" e que espera "o apoio decisivo da Europa".

Rui Rio defendeu que "enquanto não mudar o regime [na Venezuela], ou, pelo menos enquanto não houver eleições verdadeiramente livres e democráticas, não há qualquer esperança de mudar o que quer que seja" no país, em particular "a nível social".

"O PSD não só apoia esta luta, como instiga também o próprio Governo português, no quadro europeu, a ajudar a Venezuela a fazer o caminho que se impõe, desde logo por razões humanitárias, mas democráticas, também", afirmou o líder social-democrata.

Político e economista, Leopoldo Eduardo López Mendoza, 50 anos, é coordenador do partido opositor venezuelano Vontade Popular.

Antes de se refugiar na embaixada, López fugiu da sua casa, onde permanecia em prisão domiciliária, e apareceu publicamente em Altamira (leste de Caracas) junto a Juan Guaidó e vários militares, apelando, sem sucesso, à população para sair às ruas a derrubar o Governo venezuelano.

Em 18 de fevereiro de 2014, Leopoldo López entregou-se às autoridades venezuelanas, depois de um tribunal de Caracas ordenar a sua prisão por alegadamente instigar à violência, por ser uma das pessoas que convocaram uma manifestação que terminou com três mortos e dezenas de feridos seis dias antes.

López foi para uma prisão militar, acusado por instigação pública, associação criminosa, danos à propriedade e incêndio, e acabou condenado em setembro de 2015 a quase 14 anos de prisão, que cumpria em domiciliária.

Football news:

Man City are ready to include Sterling, Jesus and Laporte in the deal for Kane
Austria midfielder Baumgartner collided with Ukrainian Zabarny, then scored a goal and was substituted due to a head injury
Liverpool will demand 10 million pounds for Neko Williams. Defender wants to leave to play more often
Andriy Yarmolenko: My career in Europe didn't work out, I have to be honest
Eriksen was fitted with a cardioverter-defibrillator. What is it and can I play football with it?
Lothar Mattheus: Havertz reminds me of Zidane with his technique, skill and vision of the pitch
Ronaldo rose from 10th place to 7th in the ranking of contenders for the Golden Ball according to the version Goal.Com. Kante leads