Portugal

Ministro da Ciência espera financiamento europeu entre 250 a 300 milhões

"Há ainda uma grande parte do financiamento que está fechado, sobretudo às grandes parcerias lideradas pelo centro e norte da Europa, e queremos abrir esse financiamento", articulando "melhor os fundos competitivos com os fundos de coesão e estruturais e reduzindo a burocracia", disse à agência Lusa Manuel Heitor, à margem do debate "O Futuro da Ciência em Portugal", que decorreu no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), no Porto.

Através do Horizon Europe, o próximo programa-quadro para a Investigação e Inovação da Comissão Europeia, que estará em vigor entre 2021 e 2028, o ministro espera ver o financiamento em investigação em Portugal aumentar de 1,6% para 2%.

Manuel Heitor, que considerou haver "burocracia a mais na Europa", frisou que é preciso "garantir uma maior distribuição das verbas na Europa", para que Portugal consiga "trabalhar com os melhores e não estar sujeito a fluxos unidirecionais".

"Queremos criar uma estratégia para aumentarmos a capacidade de ter, pelo menos, 2% do financiamento disponível para o programa-quadro, aumentando dos 1,6% atribuídos no programa Horizonte 2020", tentando captar, por ano, "entre 250 a 300 milhões de euros", salientou.

Para o ministro, cuja intervenção no debate se focou na posição de Portugal perante o novo programa-quadro, a política científica "só se pode fazer com cientistas e ciência".

Este debate, "no meio de muitos que temos vindo a desenvolver, tem como objetivo não apenas consciencializar os cientistas sobre a dificuldade dos tempos em que vivemos, mas também garantir que a política científica resolve os problemas reais dos cientistas", afirmou.

Segundo Manuel Heitor, o emprego científico é, atualmente, "um problema em todo o mundo", particularmente na Europa e nas zonas do sul da Europa, como Portugal, requerendo, por isso, "instituições fortes e uma cultura dentro da própria academia".

"O que hoje aqui ficou claro é que este relacionamento entre a universidade e a ciência, que é perfeitamente crítico, tem que ultrapassar desafios atuais e ir para novos patamares de maturidade", acrescentou.

De acordo com o ministro, não bastam os fundos nacionais disponíveis para a ciência, sendo necessário captar os fundos estruturais e competitivos europeus.

O debate de hoje, organizado por investigadores do I3S, tinha como objetivo debater a política de investigação e inovação em Portugal, numa altura em que se discute o Horizon Europe, o próximo Programa Quadro para a Investigação e Inovação da Comissão Europeia.

O debate contou com a participação do presidente da Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República, Alexandre Quintanilha, do presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), Paulo Ferrão.

O presidente do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC-TEC), José Manuel Mendonça, a diretora do Centro de Investigação da Montanha - CIMO do Instituto Politécnico de Bragança, Isabel Ferreira, e o presidente do i3S, Mário Barbosa, fizeram igualmente parte da iniciativa.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Football news:

Zidane of Real Madrid: I finished my career at 34, and Luca wants to continue
Atletico will extend the contract with Parti and increase the amount of compensation to 87.2 million pounds (Ghana Soccer Net)
This player celebrated reaching La Liga so strangely that he had to take a cocaine test. The result is negative
Liverpool are ready to offer 20 million euros for Tiago, Bayern demand 40 (Sport Bild)
PSG asks Barca for Dembele and 80 million euros in exchange for Neymar (El Chiringuito TV)
Kike Setien: I See myself as Barca's coach next season
Disney's tourist Paradise, where MLS and the NBA return: 50+ playgrounds, a lot of children at normal times, cartoon characters everywhere🧞 ♂ ️