Portugal

Pablo Iglésias em entrevista ao Expresso: “Ninguém podia prever a dimensão desta pandemia a nível global”

Internacional

“Na política o que houver a chorar deve chorar-se em casa”, diz Pablo Iglesias, vice-primeiro-ministro de Espanha, em entrevista exclusiva ao Expresso. O governante que a oposição olha como um “comunista totalitário", tem “inveja” da relação que em Portugal existe entre Governo e oposição. Nesta entrevista, o secretário-geral do Podemos fala do futuro da União Europeia se a reconstrução não for mutualizada

O vice-primeiro-ministro espanhol tornou-se o alvo preferido das mais azedas críticas da oposição, que vê nele um “comunista totalitário”. Mas o secretário-geral do Podemos não se deixa intimidar por um clima político cada vez mais irrespirável. Sente “inveja” da união entre Governo e oposição em Portugal. Nesta entrevista exclusiva fala do áspero confronto em Espanha, dos êxitos e erros do Executivo e do futuro da União Europeia se a reconstrução não for mutualizada.

Estava há pouco mais de dois meses no Governo quando chegou a pandemia. Até que ponto a falta de rodagem contribuiu para cometerem erros?

A falta de rodagem não é desculpa. Se pudéssemos voltar atrás, não só em Espanha como em qualquer país, teríamos tomado medidas antes. Ninguém podia prever a dimensão desta pandemia a nível global. No entanto, estou orgulhoso de pelo menos dois elementos: o Governo tomou as medidas mais rigorosas, atendendo ao número de falecidos e infetados. Somos criticados por termos sido muito rigorosos no estado de emergência, o que foi determinante, com o empenho da população, para moderar e baixar a curva. Desde logo, o escudo social que começámos a construir é prova de que se enfrenta uma crise que não é só de saúde, mas também económica e social, de uma forma diferente da de 2008. Essa implicou cortes, despejos, resgate à banca, desproteção dos trabalhadores. Estamos a fazer exatamente o contrário: processos de lay-off que abrangem milhões de trabalhadores e empresas, rendimento mínimo vital muito em breve, ajudas para rendas de casa, proibição de despejos e cortes de luz e água. Assumimos uma voz que diz que a UE sairá desta crise de forma solidária, ou não sairá. Sendo autocríticos e assumindo erros, não apenas de comunicação, o balanço geral é bom. Muitíssima gente vem dizer-me: ainda bem que estão aí, que teria sido isto com um Governo da direita!

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.

Football news:

Angel Di Maria: I'm Glad I didn't move to Barca in 2017. I am happy at PSG
The wife of a Serbian from galaxy called for shooting rioters
Modric on how Mourinho criticised Ronaldo: Cristiano almost cried at half-time
Giorgio Chiellini: I came close to leaving Juve twice: to Real Madrid in 2010 and to Manchester City in 2011
Herrera on Neymar and Mbappe: PSG don't sell stars, they buy them
Enrique on the 2015 Champions League final: Told the team: the Worst thing that can happen is to be a Juve player in a match against Barca
Gladbach shows how the concepts of Cruyff and Guardiola can be applied