logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Padaria Portuguesa elimina palhinhas, passa ao bambu e troca embalagens de plástico por cartão

Com novas regulamentações para os plásticos descartáveis a entrarem em vigor, o fim declarado de alguns usos destes materiais até 2021 em Portugal e na União Europeia, as empresas entraram em fase de testes para encontrar soluções. Na Padaria Portuguesa, além de outras medidas, já se usam embalagens de cartão, que sendo biodegradável, não é reciclado nem reciclável. A empresa espera implementar estas novas embalagens nas 60 lojas do grupo na Grande Lisboa até ao final do primeiro trimestre deste ano.

Desde o final do ano passado que a Padaria Portuguesa tem vindo gradualmente a eliminar os descartáveis nas suas lojas​, referiu à Fugas a directora de marketing e comunicação da marca, Rita Neto. Não só em termos das renovadas embalagens de take-away, como também copos e talheres. Já as palhinhas foram abolidas por completo, dando lugar a tampas com abertura para beber directamente – feitas de “bioplástico de origem vegetal”, “reciclado como plástico misto", informam. 

As novas embalagens possuem um micro revestimento com plástico que não permite que sejam recicladas. DR

Nesse sentido, também as refeições de take-away deixam de utilizar talheres de plástico, substituídos por bambu, “que provém de uma planta altamente renovável e é um material biodegradável”, explica Rita Neto, por e-mail ao PÚBLICO. Segundo um documento da empresa, é “biodegradável até no mar”.

Em relação ao facto de as novas embalagens de cartão não serem recicláveis, a responsável aponta as razões: “o que acontece é que precisamos sempre de uma percentagem mínima de revestimento, para garantir a impermeabilização e a não-passagem de gorduras ou líquidos aquando do transporte. Por isso, estas embalagens têm de ser tratadas como resíduos orgânicos ou indiferenciados”. Este papel com revestimento de plástico é, segundo Rita Neto, biodegradável. Trata-se de, indicam, “cartão revestido a polipropileno”. 

Para já, o novo packaging, em que a empresa também destaca “menos tinta" no “novo design”, está disponível na loja renovada da Avenida Duque D’Ávila. Nos restantes espaços, adianta a empresa, estão a ser utilizadas ainda as embalagens antigas, de forma a escoar o stock actual.

Nas redes sociais da Padaria Portuguesa, as novas embalagens têm sido debatidas e há críticas. Numa publicação no Instagram, uma utilizadora comenta que a embalagem de sopa foi reduzida para “metade do tamanho” mas com “preço igual”. A Padaria Portuguesa respondeu alegando que as embalagens ficaram, de facto, mais pequenas, mas com a mesma quantidade de sopa. 

Já no próximo mês, está prevista a abertura de uma nova loja d’A Padaria Portuguesa no Almada Fórum.

Texto editado por Luís. J. Santos

Themes
ICO