Portugal

Partido de Macron impede candidata muçulmana de concorrer a eleição local por usar hijab

Secretário-geral da República em Marcha, Stanislas Guerini, diz que “os valores” do LREM “não são compatíveis com o uso de símbolos religiosos ostentosos”.

República em Marcha, fundado pelo Presidente francês Emmanuel Macron, é criticado por tentar cativar eleitores da extrema-direita para as eleições presidenciais YOAN VALAT/LUSA

O partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, baniu a candidata muçulmana Sara Zemmahi de concorrer nas eleições regionais no município de Montpellier, depois de ter sido fotografada com um hijab (véu islâmico que cobre o cabelo) para um panfleto da campanhaonde se lia “Diferentes, mas unidos por si”. A medida abre mais uma fissura dentro da República em Marcha (LREM, na sigla francesa), a menos de um ano das eleições presidenciais cujas previsões apontam para um embate a dois entre Macron e Marine Le Pen.

A polémica surgiu com uma publicação no Twitter do número dois do partido de Marine Le Pen, Jordan Bardella. “É esta a luta contra o separatismo?”, questionou, dirigindo-se à ministra da Cidadania, Marlène Schiappa.

Em resposta a Bardella, o secretário-geral do partido, Stanislas Guerini, referiu no Twitter que “os valores” do LREM “não são compatíveis com o uso de símbolos religiosos ostentosos num documento da campanha eleitoral”Por isso, “ou os candidatos alteram as fotos, ou o LREM retira o seu apoio”, continuou. Confirmando a sua posição, Guerini afirmou que Zemmahi “não será candidata do República em Marcha”, disse numa entrevista à emissora francesa RTL. 

Apesar de a lei francesa não proibir o uso do hijab ou de outros símbolos religiosos em imagens de documentos de campanha, a polémica ilustra a divisão em torno do lugar do islamismo francês no país.

A medida rapidamente recebeu críticas fora e dentro do partido, por acusações de discriminação e de procurar cativar o eleitorado da extrema-direita. Uma das deputadas do LREM, Carolina Janvier, criticou no Twitter a postura “indigna” e salientou que “correr atrás de votos (da extrema-direita) apenas permite que as suas ideias prevaleçam.”

Já outro deputado do partido, Ronald Lescure, disse à Reuters que o assunto é “explosivo": “O islão político é uma realidade latente em alguns bairros e temos de ser muito firmes”.

Macron tem alertado para o perigo crescente do “separatismo no islão”, especialmente pela ameaça de atentados, para a unidade e valores principais da república. Nesse sentido, têm sido propostas leis para lutar contra o separatismo no islão, pela defesa da laicidade e pelo reforço da segurança.

No entanto, vários observadores acreditam que o objectivo desta estratégia é outro: conquistar votos da extrema-direita para as próximas eleições presidenciais, no próximo ano, onde se espera um novo confronto com a candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen.

Football news:

Man City are ready to include Sterling, Jesus and Laporte in the deal for Kane
Austria midfielder Baumgartner collided with Ukrainian Zabarny, then scored a goal and was substituted due to a head injury
Liverpool will demand 10 million pounds for Neko Williams. Defender wants to leave to play more often
Andriy Yarmolenko: My career in Europe didn't work out, I have to be honest
Eriksen was fitted with a cardioverter-defibrillator. What is it and can I play football with it?
Lothar Mattheus: Havertz reminds me of Zidane with his technique, skill and vision of the pitch
Ronaldo rose from 10th place to 7th in the ranking of contenders for the Golden Ball according to the version Goal.Com. Kante leads