Portugal

Partidos defendem avanço no desconfinamento, embora com prudência

Renovação do estado de emergência é debatida na quarta-feira, no Parlamento, e terá o voto favorável de PS, PSD, CDS e PAN.

Partidos querem que desconfinamento continue Paulo Pimenta

De acordo com o plano de desconfinamento previsto e com os dados recentes da evolução da pandemia e da vacinação, os partidos convergem na necessidade de se avançar para a próxima fase, embora alguns (como o PSD) admitam que é preciso manter as restrições nos concelhos de maior risco. Mais testagem e maior ritmo de vacinação foram outros dos conselhos deixados pelos responsáveis políticos depois da ronda de audiências (por videoconferência) com o Presidente da República.

Rui Rio, líder do PSD, foi o mais claro a pedir cautela no desconfinamento global do país ao assumir que os concelhos de maior risco na taxa de infecção (e os que estão à sua volta) deveriam travar o alívio das restrições. 

O líder social-democrata deixou ainda um aviso ao Governo: é preciso “fazer melhor esforço na testagem nas escolas”. “Se estamos a abrir o principal perigo, então que se façam os testes e o rastreio associado”, afirmou.

Também o CDS-PP deixou um alerta sobre o mesmo assunto. A porta-voz, Cecília Anacoreta Correia, defendeu um “reforço na testagem”, alargando-a também aos alunos nas escolas; um eficaz controlo fronteiriço por causa das novas estirpes; e um estímulo à maior confiança na vacinação.

Mais categóricos na necessidade de passar à fase seguinte foram o Chega e a Iniciativa Liberal. “O desconfinamento não pode parar”, defendeu André Ventura, argumentando com a situação económica do país em particular dos sectores “terrivelmente” afectados como a restauração, hotelaria e ginásios.

O deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, também não se mostrou preocupado com os números apresentados pelos especialistas na reunião do Infarmed, durante a manhã, mas enfatizou as dificuldades de muitos portugueses em cumprir o teletrabalho. O liberal quer pedir a apreciação parlamentar do diploma do Governo que torna obrigatório o teletrabalho (sempre que possível) até ao fim do ano.

Se Rui Rio admite que o Presidente da República será “o primeiro” a defender o fim do estado de emergência assim que for possível, a posição do PS também deixa transparecer que a vontade de acabar com este regime é de “todos”. José Luís Carneiro, secretário-geral adjunto, declarou apoio à renovação deste regime por mais de 15 dias (terá também o voto favorável do PSD, CDS e PAN) embora admita que há outros “instrumentos” para garantir a intervenção do Estado no combate à pandemia.

O dirigente socialista elogiou o ritmo da vacinação, referindo que no final de Junho está previsto que a população com mais de 60 anos já tenha tomado uma dose, o que permite cumprir o objectivo de imunizar 70% dos portugueses no final de Setembro.

Nas bancadas mais à esquerda, o líder do PAN voltou a destoar ao manter a defesa do estado de emergência mesmo que seja dado o próximo passo no desconfinamento. Para André Silva, o alívio das restrições deve ser feito com “responsabilidade e gradualismo” para que a “economia volte a funcionar”.

A posição é oposta à que foi assumida pela coordenadora do BE. “Se é para desconfinar, o estado de emergência não deve continuar”, disse Catarina Martins. Sublinhando a importância da vacinação na redução do número de internados, a bloquista defendeu que Portugal deveria comprar vacinas de outras proveniências (tal como pretende o PCP) e deixou uma crítica à forma “irresponsável” como se tem gerido “os efeitos secundários das vacinas”.

Cada vez mais crítico do confinamento e do estado de emergência, o PCP endureceu o discurso contra as opções do Governo e da União Europeia no combate à pandemia de covid-19. O secretário-geral criticou as linhas vermelhas em que assenta o plano de desconfinamento do Governo: “A opção não pode ser confinar-desconfinar-voltar a confinar”. Jerónimo de Sousa defendeu ainda “medidas alternativas” ao desconfinamento, em concreto a testagem massiça, o rastreio eficaz dos novos casos e a “garantia de vacinação rápida para todos”.

Football news:

Neymar will receive 30 million euros a year under a new contract with PSG
Ronald Koeman: I hope that the VAR and the referees will make fair decisions for us and for Atletico
Ramos is unlikely to play against Sevilla. He has been out of the Real Madrid squad for two days
President of Bavaria: There will be no expensive transfers. There is no need for them, we have an incredibly strong team
Statement from Real Madrid, Barca and Juve: We regret that the founding clubs of the Super League signed a commitment to UEFA yesterday. This is inconsistent
The amount of the Holand deal may reach 200 million euros. Real Madrid won't pay that much
Ronaldo lives for goals. Playing against him is fun. Milan defender Kier on Juve striker