À falta da habitual gala, os prémios anualmente atribuídos pela publicação “Vinho Grandes Escolhas” tiveram palco num evento online. Apesar da crise sanitária, a indústria do vinho continuou operacional e a dar luta, pelo que esta quinta-feira, 4 de março, os “Melhores do ano de 2020” foram apresentados a partir do Hotel Vila Galé Ópera, em Lisboa. Foram 20 as distinções atribuídas, incluindo o de produtor revelação e o produtor do ano: a Taboadella, no Dão, que o Observador visitou em julho, levou o primeiro galardão, e a Quinta do Gradil, após uma intensa renovação do portefólio e rebranding das marcas, o segundo.

Taboadella. O grupo Amorim chegou ao Dão com vinhos clássicos e uma adega de design

Amândio Cruz ganhou o prémio “Viticultura do Ano”, ele que trabalha em diversas regiões, incluindo Lisboa, Douro, Bairrada ou Dão, e Fernando Ruas foi o sommelier distinguido pelo trabalho desenvolvido no restaurante Rei dos Leitões, na Mealhada. Manuel Lobo, com uma carreira de mais de 20 anos, 15 dos quais na Quinta do Crasto, é o “Enólogo do Ano” e Domingos Soares Franco, referência nos desígnios do Moscatel de Setúbal, o “Enólogo Vinhos Generosos”. Anselmo Mendes, há muito reconhecido pelo seu trabalho na feitura do vinho, venceu a distinção “Carreira Senhor Vinho”.

Domingos Soares Franco chegou à 40.ª colheita: “2020 é um ano para esquecer. Até a vindima foi feita a medo”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os prémios continuam: a Vercoope, nos Vinhos Verdes, foi considerada a adega cooperativa do ano, o novíssimo WOW- World of Wine, em Vila Nova de Gaia, o melhor enoturismo e a Wines 9297 a “Garrafeira do Ano”. A Enoteca 17•56 – Real Companhia Velha, com mais de 500 vinhos disponíveis para prova na companhia de várias cozinhas, é o wine bar vencedor e a Falua, nascida em 1994 no Tejo, a “Empresa do Ano”.

World of Wine: o novo quarteirão em Vila Nova de Gaia onde o vinho é rei

A Sogevinus levou o título “Empresa Vinhos Generosos” e a CVR Tejo a de “Organização Vitivinícola do Ano”. Pela “Singularidade” destacaram-se a Adega José Piteira e o projeto XXVI Talhas. O restaurante de 2020 é o Narcissus Fernandesii, no Marmoris Hotel, mas é a Toca da Raposa, em Ervedosa do
Douro, que leva para casa o galardão dedicado à cozinha tradicional portuguesa. Já o JNcQUOI Ásia, parte do Amorim Luxury, venceu na categoria de cozinha do mundo e a loja gourmet em destaque é a Unique Flavours. O prémio David Lopes Ramos vai, este ano, para a jornalista Alexandra Prado Coelho.

A pandemia contagiou as vendas, mas não parou a indústria. No vinho também se contra-ataca

Além da distinção de personalidades e iniciativas que marcaram o universo do vinho em ano de pandemia, o painel de críticos da publicação selecionou e anunciou o Top 30 vinhos de 2020, incluindo o melhor espumante (Murganheira Vintage Távora Varosa Espumante branco 2011), branco (Guru NM Douro branco, da Wine&Soul), tinto (Quinta das Bágeiras Pai Abel Bairrada tinto 2015) e fortificado (Sandeman Porto Vintage 2018, da Sogrape Vinhos).