Portugal

Rio Ave capitula na Europa em interminável serenata de penáltis

O Rio Ave capitulou, esta quinta-feira, no desempate com recurso a grandes penalidades (8-9), perante um AC Milan que só no último segundo do prolongamento chegou ao 2-2, levando a decisão do play-off de acesso à fase de grupos da Liga Europa para a saga dos penáltis. E foram necessários 24 (!) para encontrar o vencedor da eliminatória.

Para quem esperava uma visita ilustre, com tiques de autoritarismo e argumentos irrefutáveis, à dimensão da fama que precede um verdadeiro monstro em reconstrução, a atitude da equipa de Stefano Pioli foi uma espécie de negação ou anticlímax.

O pragmatismo, aliado a uma seriedade difícil de encontrar num clube tão grande — especialmente se comparado com um modestíssimo Rio Ave, apenas à procura da segunda presença na fase de grupos —, foi a arma escolhida pelo técnico dos “rossoneri”, confirmando que não estava a tentar iludir o adversário quando afirmou estar perante a equipa mais forte de entre as que defrontou nesta fase de qualificação.

E essa coesão, paciência e a pressão constante que os italianos exerceram, sem dar tréguas aos homens da casa, mantendo o Rio Ave demasiado focado nos seus processos no meio-campo defensivo, acabou por dar frutos no primeiro remate enquadrado com a baliza.

Um tiro certeiro de Saelemaekers, na sequência de um canto largo, já na segunda parte, depois de um primeiro período irritantemente pobre em matéria de finalização: três remates dos italianos (a explorarem o vento favorável) e um (enquadrado) dos vila-condenses, já perto do descanso.

Rio Ave e AC Milan confundiam-se na forma mais conservadora e até algo “temerosa” como abordaram um play-off sem margem de manobra nem de erro. E a grande virtude do Rio Ave acabou por ser a forma como encaixou o soco milanês, processou e assimilou toda a informação fornecida pelo adversário, forçando o AC Milan a errar, a cometer faltas e a recuar em termos de segurança e confiança.

A entrada de Francisco Geraldes, um minuto antes de Pioli lançar Rafael Leão e apenas seis antes de igualar, à bomba (72'), num momento de rara inspiração, abalou emocionalmente o AC Milan, obrigando-o a abandonar a zona de conforto e a doar-se de coração, tornando o jogo imprevisível e emocionante.

Aderllan Santos poderia ter acabado com o sofrimento milanês no primeiro minuto de compensação, mas o remate saiu ao lado. O prolongamento, porém, não podia ter começado melhor, com Gelson Dala a marcar nos primeiros 19 segundos, com um disparo cruzado dentro da área. 

Um esforço que acabaria, porém, traído pela mão de Borevkovic em cima dos 120 minutos: o central desorientou-se por momentos e acabou por jogar a bola com mão, abrindo a Çalhanoglu as portas do empate e ao AC Milan as da fase de grupos ao AC Milan.

Foi numa espécie de campo minado, por vezes surreal, que as equipas resolveram a questão, com ambas a marcarem todas as grandes penalidades da primeira série, até o AC Milan abrir o flanco que Nélson Monte não aproveitou (a bola foi devolvida pelos dois postes) e que Kieszek também desperdiçou, depois de Donnarumma ter atirado para as nuvens. Na hora da verdade, prevaleceu a “sorte” milanesa, penalizando o esforço vila-condense.

Football news:

Ex-judge Halsey: I'm surprised Pickford didn't get a red card. He put van Dijk's health at risk
Ander Herrera: I didn't feel love from Manchester United. The management and I had different views
Pique is ready to take a pay cut at Barca
Eto'o accused France Football of disrespect: I spent 1-2 seasons on the right, and the center forward was 25 years old
Barcelona are concerned about the shape of the Target. The club believes that he did not work enough on vacation
Laporte was supported by van Dyck: Sorry, bro. No joy, even though we are rivals
Lautaro Martinez: Messi is the best in the world. He is always one step ahead of the rest