Portugal

Rodrigues dos Santos recusa alianças ou coligações com o Chega

Francisco Rodrigues dos Santos discursa no Congresso do CDS

RUI DUARTE SILVA

Presidente do CDS, em entrevista ao Sol, desafia Rio a reeditar a Aliança Democrática para as próximas legislativas, classifica Cristas como um "peso-pesado" para Lisboa e dá uma canelada aos críticos internos: "Aqueles que querem tratar da sua vidinha e dos seus negócios não contam comigo"

O que aconteceu nos Açores fica nos Açores. É essa a máxima de Francisco Rodrigues dos Santos para arrumar eventuais acordos com o Chega. O presidente de CDS nem quer ouvir falar de novas parcerias com a força liderada por André Ventura. "O CDS não fará alianças políticas com o partido Chega. Não fará certamente coligações com o Chega", afirma, numa entrevista publicada este sábado pelo "Sol".

Reafirmando estar empenhado em "salvar" o partido, Rodrigues dos Santos garante estar disponível para reeditar a Aliança Democrática, que uniu o PSD, o CDS e o PPM e renova o repto lançado a Rui Rio: "Se se entender que esse é o caminho para que o bloco da direita some o maior número de deputados, para que não se desperdicem votos e para que haja um projeto reformista para Portugal, creio que o CDS não dirá que não."

Apesar dos vários remoques ao Governo pela gestão da pandemia e pelo "canto do cisne" que diz ser o Orçamento do Estado, Rodrigues dos Santos recusa perspetivar o fim precoce da legislatura.

Na entrevista ao semanário, o líder máximo dos democratas-cristãos reitera a vontade de ter um acordo o mais amplo possível com o PSD para as autárquicas e defende que Assunção Cristas seria um "peso-pesado" para voltar a enfrentar Fernando Medina em Lisboa, sobretudo com "o apoio alargado" das forças de direita.

Os críticos internos, esses, também não ficam sem resposta. "Aqueles que querem tratar da sua vidinha e dos seus negócios, fazer uma política de interesses ou de manutenção do statu quo, mesmo que isso não sirva os interesses do partido, não contam comigo", assegura Rodrigues dos Santos.

Football news:

Bruno scored 1 goal from the penalty spot and did not make an assist in 6 matches with the big six teams in the 2020/21 season
Messi can miss from 4 to 12 games due to disqualification, if his kick in the match with Athletic is recognized as aggression
Clattenburg on the referee of the Liverpool - Manchester United match: He should have waited in the Manet episode, but I wouldn't criticize him
I put Messi on the body and he got angry and slapped me in the face. Obvious aggression. Athletic forward about red Leo
Messi can be disqualified for 2 games. The referee did not indicate that the Barca forward showed aggression by hitting the opponent on the head
Pirlo about 0:2 from Inter: The coach should be the first to take the blame. We were too predictable
Solskjaer about 0:0 with Liverpool: We didn't deserve to win. We wanted to come and make a result, given their injuries