Portugal
This article was added by the user Anna. TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

União Europeia considera "divergências" com Estados Unidos ultrapassadas

Borrell discursava numa conferência de imprensa na sede da delegação da UE em Washington, no final da sua visita de dois dias à capital dos Estados Unidos, onde se reuniu com o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

"Para nós a relação transatlântica é fundamental. Não há alternativa à NATO para defesa territorial da Europa", afirmou o chefe da diplomacia europeia, na sua primeira viagem oficial a Washington para se reunir com a Administração Biden.

A visita acontece depois de Washington e Bruxelas terem vivido um dos momentos mais tensos nas relações bilaterais devido ao pacto de defesa entre os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, que levou ao cancelamento de uma encomenda multimilionária de submarinos por parte Camberra.

O Alto Representante para a Política Externa e de Segurança da UE tentou virar a página, assegurando que União Europeia desistisse "dos desacordos recentes" e disse que ambas as partes "estão claramente empenhadas em melhorar as relações transatlânticas".

Durante a sua visita à capital norte-americana, teve também em encontro com a vice-secretária da Defesa, Kathleen Hicks, a quem explicou que o reforço da cooperação militar europeia não vai criar uma força que seja concorrente da NATO.

"Trata-se de criar uma capacidade militar complementar da Aliança Atlântica", insistiu Josep Borrell.

Entre outros assuntos discutidos com o secretário de Estado norte-americano, Borrell destacou as negociações em curso para o regresso do Irão ao pacto nuclear internacional e os passos para aproximar a Venezuela da democracia.

Em relação à República Islâmica, o chefe da diplomacia europeia ressaltou que "a única maneira de o Irão não ser uma potência nuclear ou militar é recuperando o acordo" do qual os Estados Unidos saíram "unilateralmente" sob a Administração Trump (2017-2021), criando "um grande problema".

"Não tenho data para os iranianos voltarem à mesa das negociações. Mas concordamos que necessário fazer todo o possível para que as negociações deem frutos", disse Borrell.

O pacto, conhecido pela sigla em inglês JCPOA e firmado em 2015 entre o Irão e seis grandes potências (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha), limitou o programa atómico iraniano em troca do levantamento das sanções, tendo a reintrodução das medidas punitivas norte-americanas, em 2018, o deixou severamente enfraquecido.

As negociações começaram em Viena (Áustria) em abril com seis países, incluindo os Estados Unidos indiretamente, para conseguir o regresso de Washington ao pacto e para o Irão cumprir o acordo novamente, mas nenhum passo significativo foi alcançado.

Em agosto, as negociações foram suspensas após a chegada ao poder do novo presidente iraniano, Ebrahim Raisi. Washington avisou que "o tempo está a esgotar-se".

Sobre a Venezuela, Josep Borrell assegurou que Washington apoia o envio de uma missão europeia de observação eleitoral às eleições regionais na Venezuela, apesar das críticas de que poderia ser utilizada para legitimar o governo de Nicolás Maduro.

"Se os EUA fosse contra, teriam dito. Há silêncios que são muito explícitos", disse o chefe da diplomacia europeia sobre a posição dos norte-americanos.

Borrell considerou "natural" que os EUA "mantivessem uma posição menos comprometida", mas expressou "apreço pelo apoio de Blinken" às tentativas da EU em fazer chegar a "democracia à Venezuela".

Numa declaração conjunta na quinta-feira, os dois diplomatas concordaram o "seu forte apoio aos esforços para restaurar a ordem democrática na Venezuela".

"Alguém me explique em que prejudica a oposição e o processo eleitoral ao enviarmos uma missão para observar e denunciar o não cumprimento das condições", concluiu Borrell, insistindo que a missão europeia "não legitima" o processo.

Em 21 de novembro, a Venezuela vai realizar regionais e locais, nas quais os cidadãos vão eleger os governadores dos 23 estados do país sul-americanos e os presidentes das câmaras de 335 municípios, além dos representantes dos conselhos legislativos.

Leia Também: Frost reconhece esforço da UE para aliviar tensões na Irlanda do Norte

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download