Paraguay

Dona de empresa na Capital, irmã do ex-major Carvalho foi presa em ação da PF

A operação Enterprise bloqueou R$ 1,7 milhão em contas de sua titularidade

Empresa de irmã de major fica na Rua Professor Severino Ramos de Queiroz, em Campo Grande. (Foto: Paulo Francis)
Deflagrada em novembro do ano passado, a operação Enterprise prendeu Lucimara Carvalho, 55 anos, que é dona de empresa em Campo Grande e irmã do ex-major Sérgio Roberto de Carvalho, apelidado de “Escobar brasileiro”.

Liderada pela PF (Polícia Federal) do Paraná, foi a maior a ação combate tráfico de cocaína e lavagem de dinheiro, com mandados cumpridos no Brasil, Espanha, Portugal, Colômbia e Emirados Árabes Unidos.

Lucimara é dona da Mavele Despachante, empresa criada em 1998 e localizada na Rua Professor Severino Ramos de Queiroz, na Vila Castelo, em Campo Grande. Também tem empresas em São Paulo e é citada como dona de fazenda no Mato Grosso (Brasnorte), comprada por R$ 1 milhão. No último dia 24, a 8ª Turma do TRF 4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) manteve, por unanimidade, a prisão de Lucimara Carvalho.

Conforme a investigação da Polícia Federal, há forte indícios de participação próxima em atividades ilícitas da organização criminosa liderada pelo irmão. Em 2019 e 2020, ela viajou para Europa e Emirados Árabes. Ainda segundo a PF, tinha documento falso fabricado em Curitiba e “em seu nome estão registrados bens advindos dos proveitos do tráfico de drogas e utilizados para continuidade das atividades criminosas”.

A operação bloqueou R$ 1,7 milhão em contas de sua titularidade e apreendeu 15.205,00 Dirham’s (moeda oficial dos Emirados Árabes).

Operação Enterprise detalha investigação milionária e suspeita.
A reportagem foi à Mavele Despachante, onde foi informada que a proprietária é “dona Vilma”. A empresa, conforme informado à Receita Federal, é de Lucimara e Vilma Fátima de Carvalho Ângelo da Silva, delegada aposentada.

O Campo Grande News tentou contato com a delegada por telefone, mas ela não quis falar. “Não falo sobre esse assunto, agradeço a ligação e bom trabalho”. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Lucimara.

Logística em MS – A investigação revela uma organização criminosa com tentáculos em Mato Grosso do Sul, Paraná, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e São Paulo. O objetivo era levar cocaína para a Europa, onde o quilo da droga é vendido por R$ 200 mil.

No Estado, foi identificado grupo com quatro pessoas que atuavam na logística de “internalização, transporte e fornecimento de carregamentos de cocaína a partir de Ponta Porã, fronteira com o Paraguai, com uso de caminhões graneleiros”.

O esquema era coordenado pelo ex-major da Espanha, onde morava em mansão avaliada em R$ 12 milhões.

Apesar de comum que chefões do tráfico de drogas polarizem entre a atividade criminosa e a vitrine de empresários bem sucedidos no mercado formal, o ex-major foi além: tem uma versão morta – batizada de Paul Wouter.

A defesa Wouter, que seria na verdade Carvalho, apresentou certidão de óbito por covid-19, sendo o corpo cremado, portanto sem condições de análise de DNA dos restos mortais para confirmar a identidade. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Football news:

Neymar: I owe Mbappe the adaptation in France and the joy of being here
Joao Felix was injured again. He will miss 10 days
The Bundesliga said goodbye to Monday's matches with Hoffenheim and Bayer zeros. Their cancellation was sought by fans
Mino Raiola: Borussia do not want to sell Holand in the summer. I respect this position, but this does not mean that I agree with it
Alexander Golovin: I enjoy giving such programs. This is my job
West Brom have scored 8 goals in their last 2 matches. For the previous 10 games, only 6 goals were scored
VAR did not count West Brom's goal for offside. Although the author of the goal was probably in the right position