Sao Tome
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Moçambique teve 100% dos votos na eleição para o Conselho de Segurança

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

País obteve voto favorável de todos os Estados-membros presentes na votação realizada na Assembleia Geral; foram eleitos ainda Equador, Japão, Malta e Suíça; ano de entrada de Moçambique será o último da 11ª passagem do Brasil no órgão.

A Assembleia Geral elegeu cinco novos membros não permanentes do Conselho de Segurança para o biênio 2023-2024.

Moçambique, com 192 votos, teve o maior número entre os concorrentes, incluindo Equador com 190, Japão com 184, Malta com 185 e Suíça com 187.

Brasil e Portugal

O mandato será de dois anos a partir de 1º de janeiro de 2023. No período, o Brasil terminará sua 11ª participação.  

Pela primeira vez, o país africano de língua portuguesa ocupará o assento reservado ao grupo regional ocupando a cadeira do Quênia.

Na véspera da eleição, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Cravinho, destacou o apoio a Moçambique nessa entrevista à ONU News.

“Moçambique pode contar com o apoio entusiasta de Portugal. Nós acreditamos que Moçambique é um país com muita experiência da vida internacional. Aliás, em certos momentos da sua história, viveu uma experiência difícil, com missões das Nações Unidas em território moçambicano. E essa experiência traz algo de significativo para o trabalho do Conselho de Segurança. Os temas que Moçambique tem identificado como importantes de combate ao terrorismo, questões da ligação entre alterações climáticas e segurança, são temas de nós consideramos também vitais para o trabalho do Conselho de Segurança. Portanto, nós estamos convencidos que Moçambique vai fazer um grande lugar.”

É a primeira vez que Moçambique e Suíça se candidatam ao Conselho de 15 Estados-membros.

Japão

Japão teve o assento que deve ser ocupado por um país do Grupo da Ásia e dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento do Pacífico.

O país cumprirá o 13º mandato de sua história, o maior no órgão das Nações Unidas. 

Na vaga para o Grupo Latino-Americano e Caribenho, Equador substituirá o México.

Malta e Suíça ocupam os lugares reservados ao Grupo da Europa Ocidental e Outros com a chegada ao fim deste ano, dos mandatos da Irlanda e da Noruega.

O Conselho de Segurança tem 10 assentos rotativos e cinco permanentes: França, China, Estados Unidos, Reino Unido e Rússia.