Paraguay

Riscos fiscal e político e crise sanitária impedem dólar de ficar abaixo de R$ 5

José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, disse que é a primeira vez no Brasil que o real não se valoriza num cenário de commodities fortes

Na virada do ano, a expectativa de muitos craques do mercado era de que a perspectiva do início do ciclo de alta de juros pelo Banco Central (BC) e o boom de alta de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério de ferro) contribuiria para a valorização da moeda brasileira. Mas esse movimento não aconteceu.

Economistas ouvidos pelo Estadão apontam que o dólar poderia estar abaixo de R$ 5 se não fosse o “caldo” de incertezas que ronda a economia brasileira em 2021. Na sexta-feira, a moeda americana fechou em torno de R$ 5,60.

Tem algo diferente no Brasil: sobram dólares e nem assim o valor da moeda americana cai. Isso é novo. O temor desses riscos também deve estar por trás da decisão dos exportadores brasileiros em deixar parte dos dólares obtidos com a venda dos seus produtos fora do País. Estratégia que é legal, mas que tem sido acompanhada com atenção pelos especialistas para entender o seu impacto no comportamento da taxa de câmbio no Brasil.

Estima-se no mercado que os exportadores têm pelo menos US$ 40 bilhões de receitas de exportação que não foram trazidas para o Brasil. Se esse dinheiro tivesse entrado no País, o dólar deveria estar mais baixo. O saldo comercial é grande, mas o saldo de compra e venda de câmbio no mercado é menor.

“Tem muita gente encucada com isso. Eu acho que está associado à incerteza. Melhor deixar lá fora do que trazer para aqui”, avalia o economista e consultor José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. “O fiscal dá uma incerteza gigante”, diz.

Ruído político

Com décadas de experiência em comércio exterior e setor agrícola, Mendonça de Barros diz que é a primeira vez no Brasil que o real não se valoriza num cenário de commodities fortes, de alta do saldo da balança comercial e perspectiva de superávit nas contas externas. Um movimento de valorização do real teria que ter reduzido em pelo menos R$ 0,20 o dólar, colocando a cotação abaixo de R$ 5,50, segundo ele.

Nitidamente a economia brasileira está enfraquecendo, após a perspectiva de recuperação mais forte em 2021, com a má condução do Brasil no enfrentamento do agravamento da doença. O que muitos se perguntam agora é: quando é que vai melhorar a covid-19? Qual é o fluxo de vacinas? Para onde vai a vacinação?

Também houve uma elevação do ruído político porque o governo ficou mais enfraquecido e terá de enfrentar a CPI da covid no Senado e ameaças de o presidente Bolsonaro perder apoio da coalizão do Centrão, a depender do desfecho da crise do Orçamento, como mostrou o Estadão.

Dois fatores podem dar algum alívio ao câmbio : o aumento da vacinação para um patamar de 1,5 milhão de pessoas por dia e a recuperação econômica no segundo semestre. Mesmo assim, não se espera um recuo do dólar muito maior. A última pesquisa Focus do Banco Central, com uma centena de economistas de instituições financeiras, mostrava o câmbio fechando 2021 em R$ 5,37.

Para o ex-presidente do BC, Gustavo Loyola, é o pessimismo maior em relação ao Brasil que não tem permitido que o real se aprecie, apesar da cotação estar mais calma nos últimos dias. “Mas é tudo volátil, de acordo com as notícias, porque existe toda essa dúvida agora em relação à sanção do Orçamento e sobre a própria articulação política do governo”, avalia. Ele destaca o efeito do câmbio na inflação, que pressiona os juros.

O economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, diz que os economistas estão tendo dificuldade em medir o impacto do risco do comportamento das contas públicas, porque tradicionalmente ele deveria estar aparecendo no risco soberano País.

“Talvez a única variável que consiga explicar esse descolamento (do câmbio) seja a questão fiscal”, diz Padovani. Para ele, o Brasil deveria ter uma moeda abaixo de R$ 5: “O fator é que nos últimos nove meses a moeda brasileira oscila em R$ 5,40. A explicação mais possível é que o risco fiscal cresceu muito e está dentro dessa conta.”

Ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy tem avaliação mais otimista. Para ele, o BC tem indicado que há vários fatores sobre o câmbio que estavam presentes no ano passado e que são se vê mais, como o overhedge dos bancos (proteção extra dos ativos em moeda estrangeira dos bancos), pagamento de dívidas pelas empresas e a saída de investidores estrangeiros do País.

Para ele, as exportações que foram bem em 2021 serão muito melhores este ano.

Câmbio ‘justo’

Não tem nem 10 dias que o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a taxa de câmbio de equilíbrio no Brasil deveria estar em torno de R$ 4,50. A fala foi feita na esteira da pressão política sobre o governo para aumentar a vacinação. Guedes disse que o dólar vai cair, nos próximos três ou quatro meses, com a aceleração da vacinação em massa e retomada da economia. Um ano antes, logo após confirmação do novo coronavírus no Brasil, uma outra declaração do ministro ficou marcada: disse que a cotação do dólar poderia ir a R$ 5 caso fosse feita “muita besteira”.

Para Ribeiro, a taxa de câmbio no Brasil está desalinhada também por razões que ele classifica de “idiossincráticas”. Ou seja, características ao Brasil que vão além do risco fiscal e os problemas recentes com o Orçamento de 2021. “Podemos elencar um rosário delas, que são questões que sugerem o mau humor com o País”, diz. Na lista, o economista aponta desde a gestão da pandemia, a questão ambiental e até mesmo o recente intervencionismo nas empresas estatais de capital misto, como a Petrobrás e o Banco do Brasil.

Esse desalinhamento da cotação do real frente ao real também pode ser observado em comparação do real a outras 14 moedas de países emergentes, África do Sul, Turquia, Hungria, Polônia, Chile, México e Argentina. “O Brasil está muito mais perto da classe de países emergentes. Está sempre na pior turma”, afirmou.

Um recente relatório do BTG chamou atenção por causa das suas projeções de câmbio. O banco elevou a cotação do câmbio de R$ 5,00 para R$ 5,60 em 2022 por causa da deterioração substancial do cenário doméstico. Já a taxa de câmbio no fim de 2021 subiu de R$ 5,20 para R$ 5,40. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Football news:

Griezmann spoke with Hamilton and visited the Mercedes boxes at the Spanish Grand Prix
Barcelona feels that Neymar used it. He said that he wanted to return, but extended his contract with PSG (RAC1)
Aubameyang to the Arsenal fans: We wanted to give you something good. I am sorry that we could not
Atletico did not lose at the Camp Nou. Busquets' injury is the turning point of the match (and the championship race?)
Verratti injured his knee ligaments in PSG training. Participation in the Euro is still in question
Neymar's contract in one picture. Mbappe wants the same one
Manchester United would like to sign Bellingham in the summer, not Sancho. Borussia do not intend to sell Jude